NAQUELA HORA

Fechou os olhos e conteve a respiração por um momento, não queria perder o som da voz que ainda lhe soava no ouvido depois que o telemóvel de desligou, o brilho voltara-lhe a iluminar o rosto e sorriu como à muito tempo não sorria.
Demorou-se diante do espelho tocou aquela ruga e repuxou-a para cima , e olhou-se mais um pouco, mas de repente as lembranças voltaram, o medo turvou-lhe o olhar fazendo-a estremecer e recuar diante da sua imagem sentindo-se ridícula .
Abanou a cabeça para atirar essas lembranças para bem longe, apaga-las para sempre da sua memória , mas sentiu-se impotente quando uma lágrima escaldante caiu do seu olhar e foi despenhar-se no canto da sua boca.
O telemóvel tocou, eras tu novamente.
Ela atendeu e, a ansiedade que havia em seu coração não a denunciou e sorriu ao ouvir a tua voz, atrapalhou-se com as palavras, mas ficou a ouvir-te até que desligaste novanente.

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Meu beijo doce em teu coração e não olhes para o passado.
Olha para o alto e tem fé que DEUS está do teu lado.
Teu amigo para sempre F.Abel