Sol no inverno



Um dia de inverno ensolarado mas frio , onde a luz intensa me faz semicerrar os olhos na tentativa de olhar mais além de mim e de ti, olhar para alem de nós envolvidos por estes afetos inimagináveis de existir entre dois jovens sexagenários .

São sentimentos que nos aceleram o coração num ritmo delicioso e belo quando nossos pensamentos se atrevem a voar para lá das distancias e como dois jovens sonhamos o dia de amanhã.

Fechei os olhos nesse instante para estar contigo a sós, no meu pensamento, para ouvir os som das tuas palavras encostada ao teu peito e pedir a Deus que me deixe viver para amar a vida que te pertence por que sem ela já não saberei viver.


O sol brilha mais, neste momento

Janela



Quanto tempo ausente desta janela. Que saudade ao ver-me aqui diante dela, deste parapeito, lugar imaginário, onde espreito o mundo e me perco em lugares que só existem nos meus sonhos.

O Sol delirante, entrou no meu recanto, veio doido de saudade pelo tempo que estive ausente e em jeito de caricias aqueceu-me até me deixar relaxada, para conversar.

Não foi por esquecimento que me ausentei, nem por falta de tempo para sonhar, mas porque o meu coração se apaixonou e eu tive que dar-lhe todo o tempo que ele precisava, pois foi complicada a luta entre mim e eu.

Foi difícil aceitar que aos 60 anos poderia amar e ser amada , que poderia ser capaz de fazer e ser tanta coisa que julguei ter perdido , que a vida voltaria a ter cores iguais às da primavera e que é bom sonhar com o amanhã.